A culpa é das estrelas não é o meu gênero favorito de livro, principalmente pelos relatos dos fãs fervorosos que ele tem e eu não o compraria numa livraria…

Mas, eu ganhei e então achei que seria bom sair do meu pré-conceito com livros como este e ler. De cara me deparei com uma escrita leve e direta, a história se mostra logo de cara, sem delongas nos primeiros parágrafos você já sabe o que vai acontecer no virar das páginas.

A culpa é das estrelas – Será que é mesmo?

Mas, é ai que Jhon Green me surpreendeu, eu gostei da historinha mamão com açúcar adolescente deprê era assim que eu introduzia o livro pra quem me perguntava sobre o que eu estava lendo.

Ganhei livro de um colega! sendo amigo desde sempre!

(sério, acho que ninguém que me conhece o mínimo me imaginava lendo algo assim, porque TODO MUNDO que me viu lendo se espantou).

No livro o autor conta a história de Hazel Grace e Augustus Water, dois adolescentes, pacientes de câncer, que vivem um amor com data de validade. De cara o autor coloca uma afirmação presunçosa que me fez torcer o nariz, algo do tipo não vá atrás da história depois que ela acabar, isso é só ficção.

O tema câncer já é pesado e acho que livros como este não deveriam ser dados a quem já passou pela Cancervânia (nome que os personagens dão a terra dos que tem câncer) como eu passei de relance…

Mas, minha aceitação ao livro se deu por que o ponto de vista apresentado não é comum, não é adolescente e não é esperançoso.

Mas, ao mesmo tempo que os efeitos colaterais das verdades da vida são sentidos na leitura a gente se vê envolto em algo ainda maior que é a sensação da nossa frivolidade – coisa que a gente abandona no dia a dia. E, no final das páginas, você espera que o livro seja diferente daquilo que a todo tempo o autor mostra que ele será, mas ele não é – como a vida também não é nada diferente do que a gente imagina dela, pro bem e pro mal.

Dá raiva de ler, dá gosto, faz chorar e faz rir: sim, eu tive tudo isso – logo eu, leitora fria e calculista de livros de programação. Enfim, Marcus Zusak  bem avisou alou na introdução do livro que foi premeditadamente colocada na capa.

Mas, o pior caros amigos: é que a história da Hazel Grace é baseada na história de Esther Grace e que Augustos Waters existiu e mesmo sem ir atrás da história você sabe que eles são melhores que você na vida real tendo todos os motivos para serem, no mínimo, menos excepcionais. Sim, é uma ficção criada sob fatos reais, mas só pelo aviso do Jhon Green de você não vai querer saber o final: VOCÊ VAI!

Já temos lançado no Brasil A culpa é das estrelas – lançamento no Brasil que foi em no final de 2014 – e o lançamento dos livros da própria Esther Grace – This Star Won’t Go Out: The Life and Words of Esther Grace Earl, ainda sem data, mas cabe dizer: vou me preparar pra eles.

Então, quem quiser ir comigo no cinema ou compartilhar o livro comigo será bem vindo. Ah, quem quiser uma resenha de verdade eu indico: o post a resenha do livro A culpa é das estrelas

Este post foi publicado automaticamente com o Instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *